Estamos no fim dos tempos?

Contemplando a situação terrível do mundo moderno, tantas guerras, tantas revoluções, tantas manifestações da natureza, muitos se perguntam se já não estamos a viver o “fim dos tempos”, se já não estamos próximos à aparição daquele que é denominado por São Paulo como o “Homem da Iniquidade” e por São João Evangelista como o “Anticristo”.

Em seu famoso Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, afirma o grande São Luís Maria Grignion de Montfort: “Deus quer, nesses últimos tempos, revelar-nos e manifestar Maria, a obra-prima de suas mãos” (n. 50).

O que são “os últimos tempos”? Eis como responde a tal questão o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira:

“Muitas pessoas lendo o ‘Tratado’ um pouco rapidamente, podem ter a impressão de que ‘os últimos tempos’ são os tempos que vêm imediatamente antes do fim do mundo. Não é bem isso”.

“Nós estamos nos ‘últimos tempos’, mas os ‘últimos tempos’ não se confundem com o ‘fim dos tempos’, nessa linguagem”.

“O ‘fim dos tempos’ é o período do Anticristo, e depois o que se segue: a vinda de Enoc, de Elias; o assassinato de Enoc e de Elias; depois ficam três dias estendidos em praça pública; a perseguição dos justos, etc. Afinal, a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo que, com o sopro de sua boca aniquila o Anticristo e declara que a História está encerrada; e começa então a ressurreição de todos os mortos e os preparativos para que se faça o Juízo”.

“Nós estamos nos ‘últimos tempos’, não estamos no ‘fim dos tempos’; é uma coisa diferente. E é por causa disso que São Luís Grignion fala dos tempos dele: ‘nesses últimos tempos’”.

“Quer dizer ele, já anterior e não tão pouco anterior de várias décadas à Revolução Francesa, ele já considera que os ‘últimos tempos’ começaram; mas não é o ‘fim dos tempos’”.

“Os ‘últimos tempos’ não são também diretamente o Reino de Maria. Se há uma coisa que é certa, é que imediatamente antes de Revolução Francesa, e durante a Revolução e tudo o que se seguiu à Revolução, não era o Reino de Maria”.

“O Reino de Maria é uma parte dos ‘últimos tempos’. Assim nós compreendemos melhor a cronologia diante da qual o pensamento dele se move”. (Conferência de 18 de março de 1992)

Como faz notar o acima citado Prof. Plinio, não estamos propriamente no fim dos tempos, mas no fim de uma etapa pertencente àquilo que São Luís Maria Grignion de Montfort denominou os “últimos tempos”. Após a presente etapa de uma profunda derrocada da sociedade humana sob todos os pontos de vista, especialmente o religioso – apesar do notável progresso científico e tecnológico – virá uma outra, cheia de esplendor e de paz, denominada o “Reino de Maria”, na qual a humanidade em seu conjunto chegará a um auge de adesão à Santa Igreja Católica e a seus augustos ensinamentos.

Contemplando as Missões para Cristo com Maria realizadas pela comunidade missionária dos Arautos do Evangelho, e a belíssima aceitação que recebe em todo nosso imenso Brasil, uma pergunta pode ser levantada: “Não será isso um dos sinais concedidos pelas Santíssima Virgem de que está próxima tal era de misericórdia e de paz?”

 

***

 

Eis que a Cavalaria de Maria continua suas atividades evangelizadoras na capital do Matogrosso do Sul. Entre os dias 11 e 17 de novembro de 2019, as atividades missionárias aconteceram na Paróquia São João Batista em Campo Grande. Foi o Revmo. Pe. Ricardo Pereira da Silva, que instou a esta unidade missionária dos Arautos do Evangelho a visitar os lares e órgãos públicos do seu território paroquial.

Missas durante a semana

A imagem de Nossa Senhora de Fátima percorreu as ruas da paroquia levando esperança, conforto e paz a diversas famílias.

Visitas

Neste post vêm publicadas as fotografias da abertura das Missões, das Santas Missas, às adorações e bênçãos do Santíssimo Sacramento, bênçãos e imposições de escapulários de Nossa Senhora do Carmo, Procissão luminosa e a Missa de encerramento das Missões.

Procissão luminosa

Encerramento